Antes da regulamentação da profissão de detetive particular, cariocas revelam quem gostariam de investigar

A aprovação, pelo Senado Federal, de um projeto regulamentando a profissão de detetive particular, no último dia 15, estimulou cariocas a colocarem para fora sua porção Sherlock Holmes. Apesar de não terem a mesma habilidade que o personagem da literatura britânica, criado pelo escritor Arthur Conan Doyle, para desvendar mistérios, não faltam a estes investigadores amadores enigmas a serem solucionados.

O projeto que regulamenta a profissão de detetive particular — que ainda depende da sanção presidencial para entrar em vigor — vai além da simples bisbilhotice da vida alheia pelos Sherlocks amadores. O texto delimita a atuação dos detetives particulares, estabelecendo requisitos para a atividade profissional.

— A regulamentação é importante porque disciplina a atividade e cria mecanismos para tornar a profissão mais séria, além de afastar os aventureiros — afirma Mauro Ricart,especialista na área de Segurança Pública e ex-diretor-geral da Polícia Técnica e Grafotécnica.

Pela proposta, aprovada no Congresso, o detetive particular poderá atuar em investigações de casos familiares, conjugais, de quebra de contrato, de desaparecimento e localização de pessoas ou animais. Ele também pode apurar questões de idoneidade de empregados e violação de obrigações trabalhistas. O limite da atuação se dará quando houver indício de crime, o que cabe à polícia investigar.

Investigação conjugal é a mais solicitada

Para se tornar um detetive particular, além de não poder ter condenação penal, será preciso ter concluído o nível médio e o curso de profissionalização em “atividade de coleta de dados e informações de interesse privado”, com carga de 600 horas. Conhecimentos de direito também devem integrar o currículo. Presidente da Associação Nacional dos Detetives e Investigadores Privados (Anadip), Luiz Gomes acredita que quem já é atuante no mercado sairá prejudicado:

— A regulamentação é importante para a categoria, mas não contempla um requisito de transição para quem já está estabelecido no mercado. Por isso, acho que vai ser vetada.

A Anadip representa 2.600 detetives particulares associados em todo o Brasil, dos quais 800 são do Rio. Mas Gomes estima que o número de profissionais atuantes seja bem maior e que, só em estados como Rio, São Paulo e Minas Gerais, haja mais de 50 mil detetives. Os casos de investigação conjugal representam 60% da demanda, seguidos por pedidos de localização de pessoas desaparecidas e questões familiares com filhos, de acordo com dados da Anadip.

Fonte: https://extra.globo.com/noticias/rio/antes-da-regulamentacao-da-profissao-de-detetive-particular-cariocas-revelam-quem-gostariam-de-investigar-21117472.html

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *